Seja Bem Vindo, 20 de Setembro de 2018.
Peixoto de Azevedo - MT
Notícias
Estado
Justiça de MS acata pedido e empresário vai para prisão domiciliar
Victor Augusto Saldanha Birtche havia sido preso na semana passada, durante operação do Gaeco
Publicado em: 17/08/2018 ás 08:16:00 Autor: Mídia News Fonte: Mídia News
Foto Por: Mídia News

A Justiça de Mato Grosso do Sul concedeu no final da tarde desta quinta-feira (16) prisão domiciliar para o empresário Victor Augusto Saldanha Birtche.

 

Ele e a esposa, a empresária Flávia de Martin Teles Birtche, haviam sido presos no dia 8 de agosto, em Cuiabá, durante a Operação Grão de Ouro, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) de Mato Grosso do Sul para investigar crimes de sonegação fiscal.

 

Flávia já havia conseguido a conversão da prisão preventiva para domiciliar na quinta-feira (9) passada.

 

“Ele já está em casa. Nós pedimos para revogar a preventiva porque não existiam mais fundamentos para a prisão. E a Justiça decidiu, assim como no caso da esposa, converter a prisão preventiva em domiciliar”, disse o advogado do empresário, Valber Melo. 

 

Operação Grão de Ouro

 

A operação investiga um suposto esquema que pode ter sonegado, no mínimo, R$ 44 milhões em ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços) em Mato Grosso do Sul.

 

Em entrevista, promotores do Gaeco sul-mato-grossenses afirmaram que o esquema tinha cinco núcleos. São eles: corretores, produtores rurais, transportadores, empresas “noteiras” (que emitiam notas fiscais frias) e servidores públicos.

 

Em Mato Grosso, foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva e sete de busca e apreensão. Outros 31 mandados de prisão foram cumpridos em Mato Grosso do Sul, Paraná, São Paulo, Goiás, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

 

Na ação, agentes do Gaeco também cumpriram 104 mandados de busca e apreensão nos sete estados da federação.

 

Conforme apurou a reportagem, Flavia Birtche é sócia da empresa Efraim, que atua no ramo de agronegócio em Mato Grosso.

 

A sede da empresa, localizada em um prédio comercial em Cuiabá, também foi alvo de busca e apreensão.

 

Segundo o Gaeco, o esquema burlava o Fisco de Mato Grosso do Sul com a emissão de notas fiscais frias por parte de empresas com sede em Goiás e Mato Grosso a fim de evitar o pagamento de ICMS no Estado vizinho.

  • Tags:
  • Prisão domiciliar
©2018 - Resumo Diário - Todos os direitos reservados.