Seção de atalhos e links de acessibilidade

Estado 16/09/2019 às 17:30

Fonte: Mídia News

Escrito por: Mídia News

Operação na PCE reduziu crimes nas ruas de MT, diz Segurança


Foto Principal Notícia

Foto Por: Mídia New

O secretário de Segurança Pública Alexandre Bustamante afirmou, nesta segunda-feira (16), que a Operação Agente Elison Douglas, na Penitenciária Central do Estado (PCE), teve reflexos positivos na criminalidade também fora dos presídios.

 

Segundo a Sesp, como grande parte dos crimes registrados em Mato Grosso são ordenados das prisões, com a retirada dos celulares e interrupção da comunicação dos detentos, os registros caíram de forma drástica.

 

A Penitenciária Central do Estado é considerada um reduto de presos do Comando Vermelho em Mato Grosso.

 

“A parceria da Polícia Civil, da Polícia Militar e todos os órgãos de Segurança aqui fora permitiu manter os números muito baixos. [...] É um conjunto onde todo mundo tem participação nisso”.

 

A operação começou no dia 12 de agosto e, desde então, já conseguiu reduzir o índice de homicídios em 30% em relação ao mesmo período do ano passado, em todo o Estado, conforme o secretário.

 

Os dados da Secretaria de Segurança Pública (Sesp) apontam que, entre 12 de agosto e 13 de setembro de 2018, foram cometidos 90 homicídios dolosos. Neste ano foram registrados 63 crimes deste tipo no mesmo período.

 

Já a quantidade de roubo caiu 20% em Mato Grosso em apenas um mês de operação. No ano passado, a Sesp contabilizou 1.293 roubos, enquanto em 2019 foram 1.031.

 

Roubo de veículos caiu ainda mais, contabilizando uma redução de 23%. Entre agosto e setembro de 2018, 167 automóveis foram roubados. Neste ano, o levantamento registrou 128 casos.

 

Conforme o secretário, a operação teve como objetivo o combate a criminalidade para toda a população, não apenas dentro da PCE.

 

“A construção dessa operação é um bem social e o reflexo está na melhoria da qualidade de vida das pessoas que estão aqui fora”, afirmou.

 

A operação

 

Deflagrada no dia 12 de agosto, a operação tem como objetivo combater o crime organizado. Conforme o secretário da Pasta, a segunda fase segue por mais 30 dias.

 

A primeira parte da ação retirou excesso de materiais de dentro das celas. Em seguida, iniciou-se uma reforma na PCE e, por fim, de acordo com Jacira, teve início a apreensão de ilícitos como drogas e celulares, que estavam escondidos.

 

Em 30 dias, os agentes penitenciários apreenderam 171 celulares, 506 chips, 12 baterias avulsas, armas artesanais, além de 352 cadernos com anotações feitas por presos, que serão analisados pelos órgãos competentes, durante a primeira fase da operação na Penitenciária Central do Estado. Alguns dos cadernos continham informações sobre aplicação de golpes por sites de compra e venda.

 

Também foram apreendidos sete quilos de drogas, encaminhadas para a Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) ao longo da operação, iniciada em 13 de agosto.

 

Com a limpeza e retiradas de excessos nas celas, como freezers, micro-ondas, forno elétrico, aparelhos musicais, televisores, dentre outros produtos, foi possível fazer obras e ampliar mais 137 leitos.



Ver mais